Para ler e pensar: Michel Foucault

 

Por milênios o homem permaneceu o que era para Aristóteles: um animal vivente que, além disso, é capaz de existência política; o homem moderno é um animal em cuja política está em questão sua existência como ser vivo.

Michel Foucault, 1978.

Siga-nos e curta!: